As mais recentes novidades sobre viagens, línguas e cultura dadas pela EF Education First
Menu

Sabes que és fluente numa língua quando…

Sabes que és fluente numa língua quando…

Depois de viveres algum tempo no estrangeiro – imergido noutra cultura, história e língua – sentes-te melhor. Tens amigos nativos e vais às compras, trabalhas ou pedes comida numa língua estrangeira. Já não te sentes nada o ingénuo que eras quando tudo começou. Na realidade sentes-te fantástico – até que um amigo te pergunta: “és fluente?”

És?

Primeiramente, a ideia de fluência é difícil de definir. Muitas pessoas – especialmente quem nunca aprendeu uma língua estrangeira – pensam que se trata de engolir um dicionário e comunicar na perfeição, sem fazer qualquer erro. Se assim fosse, podias dizer que és “fluente” na tua própria língua? Muito dificilmente.
Contudo, pensemos em fluência como a habilidade de comunicar rapidamente, facilmente e de forma fluida, de diversas formas e com uma variedade de pessoas.

Portanto, és fluente?

Como podes saber se és fluente numa segunda língua? Felizmente, existem várias maneiras de ter uma ideia. Aqui ficam sete que fomos anotando ao longo dos anos.

1. As pessoas já não mudam a sua maneira de falar por tua causa

Quando começaste a aprender, tudo parecia tão complicado que uma simples conversação parecia uma odisseia. Os teus olhos grandes e assustados mostram que és um principiante. As pessoas apercebiam-se e falavam mais devagar para conseguires acompanhar. O facto de isto ter deixado de acontecer é um grande indicador que estás num bom caminho para atingir a fluência.

2. Consegues acompanhar conversas alheias

Agora que és fluente numa segunda língua, quando te sentas num café ou numa praça, consegues perceber o que as pessoas dizem. Podes escolher ouvir os detalhes interessantes da vida dos outros! Este ponto é muito importante, porque significa que consegues entender as pessoas sem olhar para elas. Já não te estás a basear nos gestos e no significado das expressões faciais.

man in black shirt sitting beside woman in gray shirt

3. Abriu-se todo um mundo de humor

Clubes de comédia? Festivais de comédia televisiva? Fácil! Enquanto no passado precisavas que te explicassem todas as piadas, agora percebes tudo! – tudo por ti próprio. Quando isto começa a acontecer, sente-te orgulhoso. É um grande momento na tua vida como estudante de línguas. Significa que as nuances e os pormenores dessa cultura começam a ter sentido para ti.

4. Às vezes lês ou escutas sem “registar” a língua

Aposto que achavas que isto era impossível quando começaste a aprender a língua. Mas aqui estás tu, a dar por ti a ler vários parágrafos de um texto, ou assuntos das notícias, sem te aperceberes activamente que estavas a fazê-lo em língua estrangeira! É um grande marco, que mostra que consegues alternar facilmente entre a tua língua materna e outras línguas.

5. Ir ao banco (ou ao médico, contabilista, etc.) já não te assustam

Antes de se tornar fluente, a ideia de ir ao médico enche qualquer um de medo. E se não conseguirmos explicar os sintomas e nos prescreverem laxantes em vez de antibióticos? Agora, esses dias já foram. Conversas com banqueiros, com oficiais dos correios, com técnicos, já correm igualmente bem.

6. Sabes quando e como usar palavrões

Os falantes nativos adoram ensinar palavrões aos estrangeiros. A primeira vez que ouviste estas expressões, soaram estranhas. No entanto, agora já sabes não só quando são usadas, mas como usá-las, tal como um falante nativo faria. Mesmo que não digas asneiras, o facto de poderes usá-las numa língua estrangeira é o importante!

7. Tens consciência dos erros que cometes

Pessoas que são “fluentes” noutra língua também cometem erros. A diferença é que conseguem aperceber-se quando cometem um erro. Agora que és fluente, dás por ti a corrigir-te muito mais, às vezes até no momento! Mais uma vez, sente-te orgulhoso – esta competência dá-te anos-luz de distância dos alunos intermédios, que geralmente ainda não desenvolveram esta capacidade.

Aprender uma segunda língua?Saiba mais!

Compartilhe esse artigo

Últimos artigos de Línguas