As mais recentes novidades sobre viagens, línguas e cultura dadas pela EF Education First
Menu

REINO UNIDO VS. EUA: RIVAIS DE LÍNGUA (pt. II)

REINO UNIDO VS. EUA: RIVAIS DE LÍNGUA (pt. II)

Se apanhaste a primeira parte de “Rivais de Língua”, então prepara-te para o segundo episódio de REINO UNIDO VS. EUA, pelo britânico brilhante Tom e a magnífica americana Martinique.

PAVEMENT VS. SIDEWALK

M: Isto não faz sentido. Porque chamaríamos algo daquilo que é feito? Com essa lógica, humanos deviam de ser átomos humanos e massa devia de ser trigo. “Sidewalk” significa o lado da estrada onde podes andar. Simples!

T: “Pavement” refere-se à área pavimentada da estrada que é exclusiva aos pedestres. É derivado do Latim ‘pavimentum’, que significa “chão pisado”. Pisado pelos pedrestes. Faz sentido, não?

DIAPER VS. NAPPY

M: “Diaper” era o termo usado para pequenas formas geométricas repetidas e mais tarde para referir a fibra de linho branca. Logo, é uma maneira agradável de dizer que algo no qual enrolas fezes de bébés é, na verdade, apenas roupa.

T: Este confude-me massivamente porque “diaper” não é realmente uma palavra relacionada com a higiene infantil. Os americanos inventaram-na. Ao menos “nappy” é uma simples abreviação de “napkin” (guardanapo), que é o que as pessoas envolviam os rabos dos bébés no passado. Éramos bastante engenhosos.

COOKIE VS. BISCUIT

M: Então já vos dissemos o que um biscoito era (o equivalente britânico de um scone). No entanto, “cookie” é uma palavra magnífica! Bolachas são doces, tal como a palavra. Mas se tenho de ser literal, a palavra nasce da palavra holandesa “koekjas”, e admitamos, os holandeses sabem o que dizem no que toca a pastelaria.

T: Esta é uma das minhas palavras britânicas favoritas por ser tão direta. Deriva do antigo francês “bescuit” – a combinação do Latim “bis” (que significa “duas vezes”) e “coctus” (o pretérito perfeito de “coquere”, que significa “cozinhar”) porque biscoitos eram originalmente assados e secos num forno para os fazer durar mais tempo. Vês, isto é a ciência e linguística a juntarem-se numa perfeita e deliciosa harmonia.

TRASH VS. RUBBISH

M: Normalmente dizemos “garbage”, mas “trash” é calão e tem tantos significados: pode ser um substantivo para lixo, um adjetivo que descreve algo de pouca qualidade e um verbo para as ocasiões em que destróis um quarto de hotel porque decidiste viver a vida de estrela rock. Qualquer palavra que tenha múltiplos significados está OK comigo.

T: “Rubbish” está relacionado com a palavra “rubbous”, um híbrido de velho francês com velho inglês, deriva de “robe”, que significa “estraga” (incidentalmente, a palavra que é sinónimo de “rubbish”, mas soa mais chique). Também podes utilizá-la como um verbo calão para referires-te a algo que não é bom, que foi inventado pela população da Austrália e da Nova Zelândia na década de 1950. O Reino Unido controlava esses países e, consequentemente, a palavra passou a ser legalmente nossa assim que foi inventada. E se for injusto? Não inventámos as regras.

FRENCH FRIES VS. CHIPS

M: “French fries” faz mais sentido porque os franceses trouxeram tantas coisas maravilhosas para a América, como a Estátua da Liberdade e Louisiana. Logo, é normal que associemos o nome deles a uma fantástica batata frita. Merci à vous!

T: “Chips” são literalmente pedaços da batata, que foi cortada aos bocados em lascas para as fritar e que vão muito bem com molho de caril e outros condimentos deliciosos e cheios de calorias. Que nos leva a…

CHIPS VS. CRISPS

M: “Chips” são assim chamadas pois quebram-se quando as mordes. Ajuda a antecipar a experiência que vais ter durante este petisco.

T: Embora seja verdade que batatas de pacote Americanas também sejam fragmentos de batata, estas “chips” são tão fininhas que ficam muito crocantes quando são cozinhadas – por isso são chamadas “crisps”. Com a exceção de tortilhas, que são consideradas “chips” por serem algo diferente, uma vez que os Mexicanos jogam pelas suas próprias regras e podem chamar aos seus produtos o que quiserem (desde que, claro, possam ser mergulhadas em guacamole).

SOCCER VS. FOOTBALL

M: Bem, hmm, na realidade os Britânicos inventaram isto *riso nervoso*… mas nós tirámo-lo! Vai Equipa América!

T: Porque é que o futebol americano é chamado “football”? Estão a atirar a bola na maior parte do tempo e nunca toca nos pés dos jogadores! Isto não faz sentido nenhum e os americanos deviam baixar as suas cabeças em vergonha enquanto nos vêem a jogar um desporto que, a não ser que sejas o guarda-redes, envolve exclusivamente ações de pé-à-bola.

SNEAKERS VS. TRAINERS

M: O significado está na palavra: na década de 1970, Henry Nelson McKinney popularizou este termo enquanto trabalhava numa campanha para a Keds, de modo a introduzir uma sola de borracha que ter permitiria aproximares-te silenciosamente dos teus amigos e família. Porque dar-lhe o nome de “trainer”? Os teus sapatos nunca te dizem para fazeres quinze flexões e também não te repreendem com frases motivacionais, como “No pain, no gain!”. Então porque é que os britânicos tentam humanizar sapatos? Isso é estranho.

T: No Reino Unido, fomos lentos a adotar esta parvoíce de sapatos desportivos pois tínhamos classe e, quando o fizémos, apenas os utilizávamos para o treino desportivo logo, foi assim que lhes chamámos “trainers”. Além do mais, quem é que realmente anda à socapa em “sneakers”? Isso é mesmo estranho.

ESTUDA NUM DESTES DOIS PAÍSES COM A EFSaiba mais

Compartilhe esse artigo

Últimos artigos de Línguas